Nubank analisa quais estados brasileiros são os campeões do delivery

56

Levantamento do Data Nubank revela que 99,8% dos seus usuários optam pelo cartão de crédito na hora de pagar pela entrega de comida via aplicativo. Clientes do banco digital que moram em São Paulo (15,28%), no Distrito Federal (15,08%) e no Paraná (13,94%) são os que mais utilizam esse serviço por meio do cartão (com funções de débito e crédito). Levantamento analisou os pedidos de comida realizados em novembro deste ano por pessoas que possuem o roxinho, considerando os principais apps de entrega. 

Passa no crédito

Brasileiros que possuem cartão do Nubank com funções de crédito e débito, realizaram cerca de três pedidos ao mês com gasto médio de R$ 41,61 por entrega. Segundo o banco digital, 81% dos pagamentos no crédito foram feitos por millennials, indivíduos de 18 a 35 anos de idade, e 43% por consumidores com renda até R$ 2 mil.

Pode debitar

Por outro lado, o pagamento no débito é o queridinho de 88% dos clientes do Nubank de 18 a 35 anos de idade que pedem comida via aplicativos de delivery. Quem opta por esta forma de desembolso realiza em média 1,4 pedidos ao mês, com gasto médio de R$ 36,13 por entrega. O débito também é o meio mais utilizado por 50% dos usuários do banco digital com renda de até R$ 2 mil.

Hábitos de consumo na pandemia

O estudo do Nubank analisou também o comportamento dos clientes que realizaram compras no crédito em supermercados e revela que mais de 97,7% deles preferiu fazê-las presencialmente no mês de novembro. Quem optou por esta modalidade, fez cerca de 3,5 compras no mês, com gasto médio de R$ 46,25 em cada uma. Interessante observar que os 2,3% que elegeram a internet como meio de compra, concentraram um maior número de produtos na mesma cesta ao realizarem 1,4 pedidos no período, com desembolso médio de R$ 192,29 — valor semelhante ao total gasto no mês em compras presenciais. O levantamento do banco digital também verificou que a quantidade de clientes realizando compras virtuais dessa categoria teve destaque nos quatro primeiros meses de quarentena, passando de 1,6% em março para 2,5% em julho de 2020.

Segundo o Data Nubank, sobre digitalização financeira na pandemia, compras presenciais em supermercados aumentaram mais de 10% durante a quarentena imposta pelo novo coronavírus: em março, abril e maio de 2020, elas representaram uma média de 29,9% do total dos gastos presenciais com cartão de crédito – neste mesmo período em 2019, eram de apenas 18,8%. Uma hipótese para este comportamento é a necessidade de circulação, ainda que mínima, ao ir ao supermercado, aliada à demanda imediata por alimentos e medicamentos, sobretudo no início da pandemia, quando os prazos de envio podiam ser maiores – bem como a restrição logística para entregas em algumas regiões do país.

Artigo anteriorBanco do Nordeste promove formação sobre integridade e ética para colaboradores de parceiros
Próximo artigoBanco do Nordeste aplicou R$ 20 bilhões em crédito rural em 15 anos de Agroamigo