Startups brasileiras captam mais de US$ 3,5 bilhões em 2020 e têm o melhor ano da história

29

As startups brasileiras tiveram o melhor desempenho da história no que diz respeito à captação de investimentos ao longo de 2020. De acordo com o Inside Venture Capital Brasil, levantamento mensal realizado pelo Distrito Dataminer, braço de inteligência de mercado da empresa de inovação aberta Distrito e a maior fonte de informação, análises e dados sobre o mercado brasileiro e venture capital, as jovens empresas de base tecnológica receberam mais de US$ 3,5 bilhões entre janeiro e dezembro de 2020, um volume 17% superior aos US$ 2,97 bilhões aportados em 2019.

O acumulado anual ganha destaque também em número de rodadas, o maior da história até então. No período destacado, foram 469 aportes realizados, ante 408 efetivados em 2019, até então o ano com volume mais expressivo. Somente em dezembro deste ano, foram US$ 580 milhões, distribuídos em 33 rodadas de investimento.

“Diante do cenário social e econômico que tivemos em 2020, sem dúvida alguma, tivemos um ano surpreendente para as startups. 2019 foi espetacular e as expectativas para 2020 eram muito positivas. O ano começou aquecido com a Loft se tornando unicórnio e os meses de janeiro e fevereiro quebraram recordes para o período. Em março e abril, no entanto, acompanhamos uma pequena desaceleração, em meio a um cenário de extrema incerteza por parte de investidores e empreendedores”, comenta Gustavo Gierun, cofundador do Distrito.

“Com o passar do tempo, os investidores retomaram a confiança e as grandes empresas aceleraram  a busca por soluções digitais criando um ambiente fértil para novos negócios. Mais uma vez o mercado de tecnologia e inovação comprovou sua resiliência e visão de longo prazo. Tivemos um recorde em volume e número de transações em 2020 e acreditamos que 2021 será ainda maior”, completou.  

Entre os principais investimentos realizados ao longo de dezembro estão as mega rodadas destinadas às fintechs Creditas e C6, no valor de US$ 200 milhões cada. O montante fez do último mês de 2020 o segundo maior da história em volume de aportes, perdendo apenas para setembro de 2020, quando Neon e VTEX receberam investimentos de US$ 300 milhões e US$ 225 milhões, respectivamente. 

Em uma análise quanto à maturidade das startups no momento da captação, nota-se que, naturalmente, a maioria dos aportes está concentrada nos estágios iniciais (Anjo, Pré-Seed e Seed). Nessas categorias, são 337 no total. Porém, a maior parte do volume investido (US$ 3,2 bilhões) se concentra em rodadas de Série A a G e em Private Equity 

Entre as rodadas em estágios iniciais realizadas em dezembro de 2020, ganharam destaque no estudo os aportes recebidos pela foodtech Floki, que captou US$ 630 mil  em uma rodada liderada pela Iporanga Ventures; e a fintech Conta Simples, que recebeu um montante de US$ 2,5 milhões em uma rodada liderada pela Quartz

Fusões e Aquisições   

Ao todo, 163 fusões e aquisições de startups foram realizadas ao longo dos últimos doze meses, volume que faz de 2020 o maior ano em número de transações deste tipo no mercado brasileiro. O montante é 154% superior ao registrado em 2019, quando ocorreram 64 aquisições. 

As startups dos setores de financeiros (fintechs), de TI e de marketing e propaganda (adtechs) foram as que mais atraíram interesse de grandes companhias em 2020. Em cada destes segmentos, foram adquiridas 22, 22 e 20 startups, respectivamente.

Da assessoria de imprensa Distrito ao Investir Seguro.

Artigo anteriorBNB divulga projetos sociais beneficiados com incentivos fiscais
Próximo artigoSó faça um empréstimo no banco depois de ler isso